home       sábado, 21 de setembro de 2019

 

Rio, 450 anos depois
Artigo de André Filho conta a história da cidade do Rio e a construção das primeiras fortificações, que tiveram papel fundamental na defesa da Baía de Guanabara. Confira

RIO DE JANEIRO - 450 ANOS DEPOIS ...
Cidade maravilhosa. Cheia de encantos mil.

André Filho
Fotomontagem: Victor Hugo Mori -IPHAN/SP


Apenas duas capitanias hereditárias prosperaram na América de origem portuguesa, graças à cana-de-açúcar: São Vicente, com Martim Afonso, e Pernambuco, com Duarte Coelho. Esse fato levou Dom João III a criar o Governo-Geral do Brasil. Tomé de Souza, primeiro Governador-Geral, chegou em 1549, com 900 pessoas e os primeiros jesuítas, chefiados pelo Padre Manoel de Nóbrega. Fundou a cidade de Salvador: primeira capital e primeiro bispado. O segundo governador, Duarte da Costa, chegou em 1553, com 250 pessoas, entre elas o noviço José de Anchieta.

No ano seguinte, fundou o Colégio São Paulo (25/01/1554), mas o seu governo fracassou na expulsão de invasores estrangeiros. Teve a permanência no cargo prejudicada porque o bispo Dom Pero Fernandes Sardinha acabou devorado pelos caetés, após ter naufragado no litoral de Alagoas, O terceiro Governador-Geral, Mem de Sá, chegou em 1557, com a missão de expulsar os invasores franceses da Baía de Guanabara. Por que os franceses invadiram o Brasil? A reforma protestante na França deu origem às guerras internas. E a doutrina religiosa de João Calvino (calvinismo), seguida pelos huguenotes (protestantes franceses), levou-os a sofrer terríveis perseguições, as quais resultaram na aprovação, pelo almirante Gaspar de Coligny, do plano de Nicolau Duran de Villegaignon para fundar no Brasil uma colônia que abrigasse os calvinistas. A expedição de Villegaignon ao Rio de Janeiro em 1555 A França Antártica, como foi chamada a colônia implantada na Baía de Guanabara, provocou a reação portuguesa por meio de um ataque de Mem de Sá ao Forte Coligny - Ilha de Villegaignon, onde hoje está a Escola Naval. Essa reação teve início em 15/03/1560. No dia seguinte, sábado, os franceses fugiram para o continente - 200 franceses e 800 tamoios - e, no domingo, foi rezada uma missa de ação de graça naquela ilha. Mem de Sá determinou que a fortificação francesa fosse arrasada, mas abandonou a área sem ocupar e defender a região. Tal imprudência permitiu o retorno dos invasores e motivou a implacável guerra dos tamoios, aliados dos franceses, contra a Capitania de São Vicente.

Em 1563, Estácio de Sá, sobrinho de Mem de Sá, veio de Portugal com navios de guerra e ordens expressas para expulsar definitivamente o invasor. Com os meios que Mem de Sá colocou à sua disposição em Salvador, Estácio de Sá partiu para o Rio de Janeiro em princípio de 1564. Hostilizado pelos tamoios, prosseguiu para São Vicente, já sabendo que alguns índios haviam quebrado a paz de Iperoig (firmada entre portugueses e tamoios no ano anterior, por Anchieta e Nóbrega), o que ameaçava a segurança de São Paulo e São Vicente. Anchieta permaneceu cinco meses aprisionado pelo terrível cacique Cunhambebe em Iperoig, onde hoje é a cidade de Ubatuba, no litoral norte do Estado de São Paulo. Segundo a tradição, foi nesse local que Anchieta escreveu na areia da praia o poema À Virgem. No dia 22 de janeiro de 1565, a expedição de Estácio de Sá, com apoio de Nóbrega e Anchieta, partiu do Forte de Santiago, hoje Forte de São João de Bertioga, com cinco navios, rumo à Baía de Guanabara. A 1o de março, a expedição aportou na várzea entre o Pão de Açúcar e o Morro Cara-de-Cão e deu início às obras de defesa fortificada e à construção das primeiras casas na “Vila Velha”, origem a Cidade do Rio de Janeiro. A expulsão definitiva dos franceses Após dois anos de luta, as ações ofensivas de Estácio de Sá tiveram início no dia 20 de março de 1567, com reforços chegados da metrópole, sob comando de Cristóvão de Barros, e da Capitania de São Vicente. Na presença de Mem de Sá, travou- se o combate em Uruçu Mirim, hoje Praia do Flamengo e, em seguida, contra o Forte de Paranapuã, na Ilha dos Maracajás, hoje Ilha do Governador. Os franceses não resistiram e alguns tomaram suas naves e desapareceram da Baía de Guanabara, estabelecendo-se em Cabo Frio.

Com o sucesso de Estácio de Sá, ficou indiretamente garantida a unidade territorial, linguística e religiosa da Colônia. Mas Estácio de Sá fora atingido por uma flecha no rosto e faleceu pouco tempo depois. As caravelas dos nossos dias Repetindo a epopeia dos idos de 1565, no dia 20 de fevereiro de 2015 (1ª etapa), cinco “caravelas dos nossos dias” - mesmo número de caravelas de Estácio de Sá, 450 anos passados - partiram de Bertioga, ao sabor das ondas e dos ventos, para singrar as águas do Atlântico Sul a caminho da Baía de Guanabara. Às 07h30 de 1o de março de 2015 (2ª etapa), os veleiros de cruzeiro, capitaneados pelo Navio Escola Cisne Branco, da Marinha do Brasil, surgiram diante de enorme plateia que ocupara o exato lugar em que Estácio de Sá aportou suas cinco naus, 45 dias após zarparem de Bertioga. O Cruzeiro Bertioga-Rio: 450 anos depois... foi promovido pela ABVC (Associação Brasileira dos Velejadores de Cruzeiros), com apoio da Prefeitura Municipal de Bertioga, do Comitê Rio 450 Anos, do Exército Brasileiro - por meio da Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural e do Centro de Capacitação Física do Exército-, da Marinha do Brasil, das universidades federais do Rio de Janeiro, coordenadas pela UFRJ/COPPE/LTDS, do Iate Clube de Santos, da Marina Pratas, de Angra dos Reis, do Iate Clube do Rio de Janeiro, do ICOFORT (International Committe on Fortifications and Military Heritage), da SOAMAR (Sociedade Amigos da Marinha), do IHGS (Instituto Histórico e Geográfico de Santos) e da ASL (Academia Santista de Letras).

Foi emocionante ver os veleiros, capitaneados pelo Navio Escola Cisne Branco surgirem no costão do Pão de Açúcar, diante da histórica Fortaleza de São João de Guanabara, sob os acordes da Banda Marcial do Batalhão do Imperador, tendo como “pano de fundo” uma salva de Artilharia, respondida pela Cisne Branco. A cerimônia de abertura dos 450 anos do Rio de Janeiro teve inicio com uma encenação do desembarque das caravelas de Estácio de Sá. Atores, vestidos como índios e navegantes, ergueram uma cópia do padrão português de posse da terra e entregaram as chaves simbólicas da Cidade do Rio de Janeiro ao prefeito Eduardo Paes.

O Cruzeiro Forte São João: 450 anos da Expedição Estácio de Sá O Cruzeiro Forte São João - 20/02 a 1o /03 de 2015 -, teve como objetivo principal a comemoração dos 450 anos da Expedição de Estácio de Sá, ocorrida entre 22 janeiro e 1o de março de 1565, para promover o povoamento da Cidade do Rio de Janeiro. Veleiros e Comandantes 1a etapa: Jazz 4, Volnys Bernal Kilimannjaro, Philippe Gouffon Serenata I, Hélio Solha Triunfo II, João Jorge Peralta e Malago, Jurandir Andrade (partida). 2a etapa: Jazz 4, Volnys Bernal Kilimannjaro, Philippe Gouffon Napoleão, Maurício Napoleão, Serenata I, Hélio Solha, Triunfo II, João Jorge Peralta e TYR, Matheus Eicler. Etapas da navegação A navegação foi realizada em duas etapas: 1a etapa: de 20 a 22/02, de Bertioga a Angra dos Reis 2a etapa: de 28/02 a 1o/03, de Angra dos Reis ao Rio de Janeiro.

Foi realizada por velejadores de cruzeiro, precedida por cerimônia cívico-cultural, almoço e bênção de tripulantes e veleiros. Na Ilha Anchieta, os velejadores visitaram o Parque Ambiental a seguir, almoço de confraternização. Em Angra, os veleiros foram abrigados na Marina Piratas, entre os dias 22 e 28/02, a frotilha prosseguiu em navegação noturna, rumo ao Rio de Janeiro. Na parte cultural, no dia 28/02, a Profa. Dra. Marisa Egrejas, do LTDS/COPPE/UFRJ, o Presidente da ABVC, Prof. Dr. Volnys Bernal e o Cel Art. Rfm. Elcio Rogerio Secomandi proferiram palestra na Casa Histórica de Deodoro, Campo de Santana, por ocasião da entrega formal do projeto Roteiros dos Fortes à DPHCEx (Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural do Exército).

Na manhã do dia 1o/03, o Cruzeiro foi integrado na programação da Fortaleza de São João de Guanabara como referência às comemorações dos 450 anos da fundação do Rio de Janeiro, constando de abertura com salva de tiros de Artilharia, alocução à data histórica, encenação do desembarque da Expedição de Estácio de Sá, ato religioso, bênção e entrega da chave da cidade ao Prefeito Eduardo Paes. A cerimônia contou com a presença de inúmeras autoridades e apresentações musicais da Banda Marcial do Batalhão do Imperador e da Orquestra Violões do Forte. À tarde, houve uma visita monitorada aos fortes que compõem a Fortaleza de São João, na Urca e, à noite, um jantar de confraternização na Churrascaria Guanabara. Agradecimentos A todas as pessoas e instituições acima mencionadas, por nos terem permitido realizar um “mergulho em nossa essência como povo, reproduzindo uma das grandes epopeias que nos permitiram ser a Nação que hoje somos”.

Aos velejadores e comandantes dos veleiros acima mencionados, por ousarem reconstruir, 450 anos depois, os fatos históricos aqui sumariamente descritos.
A beleza arquitetônica dos Fortes, Fortins, Fortalezas coloniais nos inspira a “resgatar uma identidade luso-brasileira tão intensa, permanente e, infelizmente, esquecida” (...). Tão esquecida quanto as “muralhas de pedras” outrora guarnecidas por “canhões de bronze”, manobrados por “homens de ferro”. Nunca será demais lembrar que preservar o passado é a melhor maneira de construir o futuro. E, assim, procuramos dar nossa modesta contribuição a uma tendência mundial de mudança de postura no uso dos bens patrimoniais de origem militar colonial e que hoje se voltam para o receber amigos/as. Obs: O site da ABVC _ www.abvc.com.br _ disponibiliza toda a cobertura midiática do evento histórico-cultural.


BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
1_ EME_ Estado-Maior do Exército. História do Exército Brasileiro: Perfil militar de um povo. Brasília: IBGE, 1972. 2_ MAGALHÃES. J. B. Compreensão da Unidade do Brasil. Rio de Janeiro: BIBLIEX, 2002. 3_ MORI, Victor Hugo. Arquitetura Militar: Um panorama histórico a partir do Porto de Santos. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado / Fundação Cultural Exército Brasileiro, 2003. 4_ SECOMANDI, Elcio Rogério. Circuito Turístico dos Fortes. Santos: Leopoldianum, 2005. 5_ SECOMANDI, Elcio Rogerio, PAUL, Clotilde. PORTO DE SANTOS: Armada no mar & Bandeiras na terra. São Paulo, Navegar Editora, 4a Ed, 2014. 6. Bertioga Rio. 450 anos depois...São Paulo: Navegar Editora, 2015.

SOBRE OS AUTORES:
Clotilde Paul é Advogada, Doutora em História Social e Diretora-Secretária da Sociedade Visconde de São Leopoldo, mantenedora da Unisantos. Elcio Rogerio Secomandi é Coronel de Artilharia reformado, Economista, Membro do ICOFORT (International Scientific Committee on Fortifications and Military Heritage) e Conselheiro da FUNCEB (Fundação Cultural Exército Brasileiro). Ambos são membros do Instituto Histórico e Geográfico de Santos e da Academia Santista de Letras.
Fortaleza de São João, Baía de Guanabara, 1565 LTDS/COPPE/UFRJ Debora Motta
Volnys Borges Bernal
André Paz / UFRJ

Imagens/ Fotos
Rosana Valle http://globotv.globo.com/tv-tribuna/rota-do-sol/v/bloco-1-28022015-venha-navegar-nos-450-anos-do-rio-de-janeiro/3998707/ http://globotv.globo.com/tv-tribuna/rota-do-sol/v/bloco-2-28022015-venha-navegar-nos-450-anos-do-rio-de-janeiro/3998709/ Volnys Borges Bernal https://www.flickr.com/photos/131065991@N04/ Philippe Gouffon https://plus.google.com/u/0/photos/109882229292575477146/albums/6126139347380135905 José Augusto Coelho Filho

A história está contada em 6 partes / 6 pequenos vídeos:
Links no YOUTUBE: https://www.youtube.com/watch?v=21q16-_yfyg
1ª Parte https://www.youtube.com/watch?v=skTFw89qkvE
2ª Parte https://www.youtube.com/watch?v=_GLX5kGat5A
3ª Parte https://www.youtube.com/watch?v=lEKV7OyEzlI
4ª Parte http://youtu.be/V_oNj7hEV_0
5ª Parte http://youtu.be/PJ7mdWGxkBI


Matéria completa em:
http://funceb.org.br/pdfs/Rio450anosdepois_2015.pdf


VOLTAR
check our Beach wedding dresses collection
Associação Comercial de SP Associação Comercial de SP DPZ FIAT ITAÚ

INSTITUIDORES E PARCEIROS                    LINKS                    TEMPO                    MAPA DO SITE
© Fundação Cultural Exército Brasileiro. Todos os direitos reservados.  Criação FamilySites